Ads Top

Onde o amor é ilegal

Todos que fogem dos padrões considerados "normais" pela sociedade, sabem os preconceitos que precisam enfrentar todos os dias. Atividades comuns para a maioria, como pegar ônibus, ir a uma loja ou simplesmente andar pelas ruas, se tornam uma batalha para os que não se encaixam nesses "padrões". Quando esse assunto chega ao quesito amoroso, esses preconceitos acabam sendo maiores ainda.

O fotógrafo neozelandês Robin Hammond, em uma de suas visitas a Nigéria, se deparou com a história de cinco homens gays do norte do país, que foram presos e castigados em um tribunal, por causa de suas sexualidades. Robin, resolveu ouvir os homens e fotografá-los, nascendo aí, um novo projeto, que mais tarde receberia o nome de "Where Love Is Illegal" ("Onde o Amor É Ilegal", em português).

O incrível projeto já conta com diversas fotografias e relatos emocionantes de casais de diversas partes do mundo, como Líbano, Rússia e Malásia. São histórias incríveis, onde o amor passa por cima de qualquer julgamento, discriminação e intolerância.

Confira:

 "J" e "Q" são de Unganda, onde o relacionamento delas não é reconhecido.

 Nascida em Burundi, Naze Flavier, decidiu fugir para a África do Sul, buscando ser aceita como transexual, porém foi estuprada e virou sem-teto.

 Moradora da África do Sul, Boniwe mostra a fotografia de sua filha Nontsikelel, estuprada e estrangulada até a morte.

 "Eu não consigo esquecer quando eu fui estuprado na cela por prisioneiros", relata Kamarah, que foi torturado por policiais.

 Após darem aos mãos em um show, "O" e "D", foram agredidas.

 "Até hoje eu não me sinto segura em andar na rua", conta Ntombozuko, da África do Sul, sobre ter sido esfaqueada após um assalto.

Mitch Yusmar e sua parceira transexual Lalita Abdulla. Eles são pais de 2 filhos adotivos, onde o relacionamento do casal não é reconhecido legalmente.

O casal, Rihana e Kim, de Uganda, foram despejados de onde moravam, agredidos pelos vizinhos e presos acusados de homossexualidade.

Darya, da Rússia, foi agredida com um bastão de baseball e esfaqueada por vários de homens mascarados enquanto voltava para casa.

Álisson Boeira

Fundador da Revistak7. Gaúcho que não gosta de churrasco e nem chimarrão. Apaixonado por todos os tipos de arte, principalmente as que causam arrepios na alma.

|@alissonfboeira

Tecnologia do Blogger.