Ads Top

Fernão Capelo Gaivota



Disse Platão que “podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz.” De fato, a iluminação do pensamento, que desmistifica certos padrões mentais e comportamentais enraizados, costuma incomodar, e até mesmo apavorar, as mentes mais conservadoras. Uma vez que, é muito mais simples nos mantermos seguros na previsibilidade do comodismo do que nos aventurarmos pelos caminhos incertos das novas possibilidades, até como forma de autopreservação.

O livro Fernão Capelo Gaivota, de Richard Bach, conta a história de uma gaivota chamada Fernão que não se conforma em viver uma vida medíocre, na qual não seja possível exercer todo seu potencial. Então, disposta a desbravar os caminhos das múltiplas possibilidades, ela passa a dedicar seus dias - e madrugadas - a praticar voos cada vez mais altos e perfeitos, algo totalmente raro às gaivotas de seu bando que não são adeptas de voos extraordinários.

Mas o que deveria ser motivo de orgulho para sua comunidade, tornou-se uma grande ameaça. O aventureiro passou a ser visto como desordeiro e perigoso para a pacífica e acomodada existência de seus iguais. Assim, Fernão descobriu, desde cedo, que indivíduos incomuns, como ele, costumam provocar esse tipo de reação nos demais.

“Fernão Capelo Gaivota! É chamado ao centro! – As palavras do Mais Velho foram pronunciadas no tom mais solene. Ser chamado ao centro só podia significar grande vergonha ou grande honra.”


Como consequência de sua personalidade aventureira, o jovem foi banido de seu grupo. Mas, como um verdadeiro inconformado que era, resolveu seguir em frente e continuar a exceder seus próprios limites. Sozinho, voltou a se aperfeiçoar e avançou vários níveis em sua própria escala evolutiva.

O livro é belíssimo e, inclusive, inspirou a produção de um filme, do mesmo nome, em 1973, que possui maior significado para quem já leu o livro. 

O texto é curto, mas a dimensão da obra vai além das poucas páginas. Sua mensagem é uma analogia explícita ao poder que possuímos de superar, principalmente, a nós mesmos, e modificarmos qualquer realidade. 

Tanto o livro quanto o filme podem ser adquiridos através da Livraria Cultura online.



Andreia Marques

Escritora, poetisa, ilustradora e estudante de Filosofia. Carioca, aficionada por livros, filmes e séries.

|@contoseuconto

Tecnologia do Blogger.