Ads Top

Sonhos misturados com Fotografia! Conheça o universo através do olhar de Misha Voguel


"Meu amor pela fotografia surgiu quase na mesma época que meu filho nasceu, ele cresceu lado a lado com sua essência. Deixei tudo em Salvador, para ter em São Paulo um local que pudesse me ajudar a crescer e ter um espaço na diversidade de culturas. Era gestor em uma metalúrgica. E muita coisa do que via me tirava a esperança de um mundo mais humano e justo. Na fotografia pude então acreditar em meus sonhos e na relação do ser humano com a natureza". Com quase 06 anos de experiência no mundo da fotografia, essas palavras são de Misha Voguel, um fotógrafo de 34 anos que esbanja talento.

Para conhecermos mais sobre seu estilo, suas inspirações, as dificuldades dessa área, entre várias outras coisas, batemos um papo com o próprio Misha. É isso que você confere abaixo:
  

O mercado fotográfico é muito amplo: fotógrafo de evento, fotojornalismo, fotógrafo de moda, etc… O que te levou a se identificar com retratos de crianças?
Sempre estive envolvido em qualquer projeto fotográfico. Quando a busca sobre minha identidade aconteceu, eu fotografava o meu filho. Percebi que existe algo diferente, e quando consegui entender a minha natureza artística, vi nas crianças uma peculiaridade em tornar essa essência atemporal.

Quais as suas maiores inspirações na fotografia?
Acompanho trabalhos de muitos artistas fantásticos, mas de fato o que me inspira na fotografia tem a simplicidade e humildade que envolve o coração como um filme, a Agnieszka Ankiersztejn-Kuźniar tem sido esta inspiração atualmente.


Quais as dificuldades que você encontra na hora de fotografar retratos de crianças?
Não vejo contra tempos em registrar as crianças. Talvez, se eu não estiver bem comigo mesmo, não estarei preparado para registrá-los, porém é regra para qualquer tipo de trabalho.

Meus ensaios são todos externos, justamente pelo fato de que estamos em sintonia com o universo sentindo a natureza a nossa volta.

Você é um dos brasileiros especializados na lente Petzval 85, da Lomography, o que mais te chamou atenção nessa lente? E como foi essa mudança de uma lente normal, para ela?
Quando me especializei na lente, me tornei pioneiro no Brasil e referência mundial de acordo com a Lomography, pois eu buscava tornar meus retratos uma atmosfera onírica algo voltado totalmente a pintura. A mudança ocorreu de acordo com minha necessidade de expansão e logo percebi que não era somente a lente, mas sim a maneira como eu via a fotografia.

Você participou de alguns projetos para uma das revistas mais famosas do mundo, a revista VOGUE, como foi essa experiência em sua carreira? 
Quando eu decidi de fato abraçar a fotografia, foi através de uma iniciativa de uma revista da Espanha, A Mambo. Tive trabalhos publicados nela e na revista Fendamel de Portugal. Logo me senti preparado para alcançar outros objetivos, e através da Vogue Itália eu consegui medir a melhoria contínua de meus retratos.

Sempre tive a vida voltada aos meus sonhos, tudo que eu fazia procurava um sentido de mesclar isto. 

Vejo que suas fotografias tem um estilo muito próprio, uma mistura entre elementos artísticos, com um toque de nostalgia, é muito fácil bater o olho em alguma foto e saber que foi você que fotografou. Como foi essa busca pelo seu estilo?
Sempre tive a vida voltada aos meus sonhos, tudo que eu fazia procurava um sentido de mesclar isto. Com esta procura, criei um estilo novo na fotografia, uma estética onírica, usando elementos do passado com as crianças de hoje. Chamo de movimento onírico.

  
Como você enxerga o mercado fotográfico no Brasil atualmente?
O mercado Brasileiro tem batido muito na mesma tecla., um caos digital, um excesso na procura pelo perfeito, acabam exagerando no uso continuo de ferramentas de edição.
Mas isto aconteceu no mundo todo, como agora existe uma revolução lá fora pelo como a fotografia tem sido vista, a necessidade de mudar este quadro e voltar às origens. Acredito que agora teremos mais tempo de moldar tudo isto e deixar em equilíbrio esta transição.

Que dica você daria para quem quer começar a trabalhar com fotografia?
Estudar, estudar, praticar e praticar. Acima de tudo ver na fotografia uma ferramenta espiritual para esculpir o coração e transformar a mente.  A fotografia é arte e ao mesmo tempo uma linda profissão que merece um destaque maior. Ao invés de termos uma simples máquina no consumo desenfreado do nosso ego. Você faz a foto com toda a história de sua vida.











Vinicius Kazuo

Nascido em São Paulo e criado no mundo. Já viajou para Buenos Aires, Uruguai, Califórnia e alguns estados do Brasil. Trabalha com publicidade onde descobriu seu amor por arte.

|@ViniKazuoO

Tecnologia do Blogger.