Ads Top

Reconto | Faço frete!


“Yes I'm changing, yes I'm gone/ Yes I'm older, yes I'm moving on”. Mudança, essa palavra te incomoda? Bem, considerando que toda mudança tende a causar um certo desconforto mesmo quando mudamos para algo melhor, as mudanças são constantes em absolutamente todos os segundos da nossa existência, mesmo dormindo, seu corpo muda, suas células se reproduzem, e geralmente algo sempre muda no nosso pensamento.

Algumas mudanças são planejadas, com data e hora para acontecerem, com um certo cronograma que nos dão alguma sensação de que poucas peças se moverão em direção oposta ao que ansiamos, mas até essas nos causam o desconforto, que eu chamaria de medo mesmo. Agora imagine as mudanças que não estavam nem no plano mais longínquo da nossa cabeça, imaginou? Não precisa, todos nos já passamos por isso em algum momento, e se ainda acha que não, aguarde.

Porém, ao longo desses meus trinta e quatro anos tenho observado que nossos anseios incidem diretamente em fatos que contribuem para mudanças bruscas, mantendo certa sincronicidade com o que desejamos. Claro que nem sempre é algo obvio, mas já notaram que o efeito borboleta (é um termo que se refere à dependência sensível às condições iniciais dentro da teoria do caos, analisado pela primeira vez em 1963, por Edward Lorenz) acontece com bastante frequência em nossa rotina? E se fulano não tivesse dito aquilo, e se eu não tivesse ido mais cedo, e se......?

Estou mudando de casa, minha ultima mudança aconteceu há exatos 12 meses e, obviamente, eu não esperava por nenhuma das duas. Mas pra minha sorte, apesar de não fazer parte de absolutamente nenhum plano de curto prazo, essa mudança veio a calhar. Já alterei minha rotina, já relembrei de como é difícil encontrar boas casas no Rio de Janeiro, já pratico a minha baixíssima habilidade em imaginar lugares vazios com móveis e também já aceitei o fato de que o Google sabe tudo o que eu faço, principalmente quando ele me sugere casas novas e empresas de frete.

Confesso que gosto de mudanças bruscas e inesperadas, elas são o impulso que preciso para dar o próximo passo. Elas me fazem observar o medo, a ansiedade, o cansaço e todas as possibilidades maravilhosas que tenho a frente. Comecei esse texto com um trecho da música do Tame Impala (amoooo) do álbum Currents, “Yes I’m changing”, a escuto toda vez que sinto borboletas no estômago. Eu não estava esperando nada e estou de mudança. E você? Vai mudar o que hoje?

Aline Marcondes

Paulistana de moradia carioca. Investe seu salário de engenheira em viagens e shows. Viciada em conversar e observar o comportamento humano.

|@alinemarc

Tecnologia do Blogger.